Postagem em destaque

Parto sem dor

Os métodos de PSD prepara-se para sair da mãe da criança. Naquela época, a parteira, que cortou o cordão umbilical imediatamente, a cria...

quinta-feira, 3 de março de 2011

Alimentação na Gravidez - proteínas, gorduras e muito mais!



A questão da alimentação da mãe tem sido e continuará a ser objecto de acesas discussões entre médicos e pacientes, e ainda maior entre mães e filhas.

Poucos. Capítulos causaram tanta controvérsia no que diz respeito ao regime de mulheres grávidas, e poucos autores têm páginas para preencher o endereço privado em última análise, uma questão simples. Não há necessidade de tabelas de cálculos complicados ou preparado, apenas um pocote selten comum.

Enquanto ela é variada, a ingestão diária normal contribui para a mãe, em quantidade suficiente, todas as informações que precisa sem ter de correr atrás das vitaminas ou proteínas. O problema é limitar o alimento, não aumentá-la. Devemos rejeitar definitivamente o famoso ditado "comer por dois", muitas vezes confundido com "comer como dois".

A gravidez, de fato, aumento do apetite, especialmente durante os últimos meses, e muitas vezes leva a mãe a beber uma quantidade excessiva de alimentos.
Em seu trabalho de pratique Guia diététique, Professor C. Sureau escreve: "O sistema ideal de uma mulher grávida saudável não difere muito da de uma mulher idosa e actividade semelhante vazias."

As necessidades energéticas de uma mulher ávida são 2.200 calorias por dia, aproximadamente. Em mulheres grávidas, as necessidades são mantidos a um nível equivalente durante o primeiro trimestre da gravidez, vai para 2.400 calorias, no segundo trimestre, chegando a 2.600 calorias, na terceira. Ou seja, um aumento de apenas 20%.

Existem três categorias de alimentos:

1. Proteína: carne, ovos, peixe.

2. Gorduras: manteiga, óleo, alimentos gordurosos.

3. Carboidratos: açúcar, compotas, mel, bolos, massas, legumes, nozes, etc.

Nenhum comentário:

Postar um comentário